Notícias: Os efeitos da estiagem na produção agrícola do Rio Grande do Sul na safra 2019/2020

Procurar
Categorias
Redes Sociais
...

Em tempos de Covid-19, muito pouco se fala acerca de outros tópicos. 

Em que pese a importância do tema, é também importante, até por questão de sanidade mental, trazermos outros assuntos que chamam a atenção, como o agravamento da estiagem no Rio Grande do Sul e os efeitos que isso vem trazendo para a produção do Estado.

A seca vem se arrastando desde o início do verão, e vem sendo severa. Segundo estimativas da Emater, as perdas na Soja devem chegar a 33% e no milho, a 25%.

Isso representa mais de 6 milhões de toneladas a menos para soja e 1,5 milhão de toneladas a menos para o milho.

Como reflexo, as entidades que representam o setor no RS tem buscado alternativas junto ao governo para amenizar as perdas.

Recentemente (antes do início do surto de Coronnavírus no Brasil) o Governador Eduardo Leite, acompanhado do Secretário da Agricultura Covatti Filho, foram à Brasília se reunir com a Ministra Tereza Cristina para reforçar a necessidade de atuação do Governo Federal para tentar atenuar os efeitos da seca na produção.

O Governador e o Secretário também estavam acompanhados dos representantes da Farsul, Deputados e Senadores do Estado do RS, e entregaram um ofício a Ministra Tereza Cristina com diversas demandas, tais como:

  1. Renegociação dos créditos de custeio e comercialização contraídos até a safra 2019/20, que estejam vencidos ou sejam vincendos neste exercício;
  2. Parcelas de investimentos vencidas e vincendas no ano civil de 2020, inclusive aquelas contraídas sob o Programa de Sustentação do Investimento (PSI), conforme possibilidade trazida pela Resolução 407 de 26 de abril de 2012 e pela Circular 042/12-BNDES;
  3. Dispensar a observância do limite de 8% por parte das instituições financeiras no caso de renegociação das operações de crédito de investimento rural contratadas com recursos repassados pelo BNDES;
  4. Criação de linha de crédito, dentro do Manual do Crédito Rural, para as cooperativas, cerealistas e empresas fornecedoras de insumos, de forma que estas possam repactuar as dívidas dos produtores rurais;
  5. Criação de linha de crédito emergencial para agricultores familiares com teto de até R$30 mil, prazo para pagamento de 10 anos e taxa de juros de 3% a.a. para recuperação e manutenção das atividades produtivas da propriedade;
  6. Criar uma linha especial de manutenção das propriedades da agricultura familiar, que tenham DAP e renda familiar de até três salários mínimos mensais, e que não se enquadrem em nenhum tipo de renegociação. O valor da linha será de um salário mínimo mensal por um período de três meses, como forma de subsistência da família;
  7. Milho balcão Conab: melhorar a distribuição do milho no estado credenciando mais armazéns. Providenciar a elevação do estoque disponível no RS trazendo grãos de outros estados e também aumentar a cota em 50% por CPF, como forma de suplementação da dieta do gado de leite, gado de corte, frangos e suínos;
  8. Permitir ao produtor de tabaco o acesso às linhas especiais e de renegociação de dívidas.

O Governo, através da Ministra da Agricultura, prometeu uma resposta rápida as demandas, mas disse que não há uma solução única para os problemas, e que entidades como BNDES, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil devem ser incluídos na equação, o que obviamente também envolve o Ministro da Econômia.

O certo é que, com a Pandemia de Covid-19, não há muito espaço hoje para discussões envolvendo esse tema nos governos, mas os produtores já estão amargando as perdas e sofrendo com as consequências financeiras da quebra de safra.

Caso o Governo não sinalize com a ajuda necessária, os produtores não terão muitas alternativas a não ser buscar pessoalmente a renegociação com fornecedores e demais credores, ou mesmo judicializar questões insolúveis.

 

Marques & Morais Advogados

 

Veja Também

Sindicato tem legitimidade para propor ação coletiva sobre cláusulas de cédulas de crédito rural individuais

28 julho 2018Geral

Ao reconhecer a comunhão de circunstâncias fáticas e jurídicas e a conexão de interesses entre os substituídos processuais, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) considerou legítima a propositura, por sindicato de agricultores, de ação coletiva de consumo para o questionamento de cláusulas inseridas em contratos de cédulas de crédito rural firmados individualmente pelos trabalhadores.

Leia Mais

Está com dúvidas? Fale conosco!

Tire suas dúvidas ou agende sua visita através de nossos contatos.

Fale Conosco